quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Qual crise você está enxergando?

Amigos

Graças a Deus eu não estava perto de uma televisão para ver o, recente, discurso mentiroso do maior ladrão que esse país já teve! Pelo o que eu pude ler nos comentários na minha timeline do Facebook, para ele, o país está ótimo, não há crise e sim uma campanha da elite. Engraçado que os que mais sofrem nesse momento é exatamente a classe mais humilde do país que está perdendo seus empregos e as suas “bolsa esmola”. Em termos, ele até tem razão quanto a ter ou não crise, pois dependendo para onde se olha, há mesmo uma crise?

Vejamos. Um grande amigo meu está com problemas para instalar internet a cabo em sua casa. A operadora agendou e não foi por mais de 3 vezes a sua casa. Ele está contando a "saga" pelas Redes Sociais. A operadora nada faz, não interage ou tenta resolver o problema dele. Apenas, deixa acontecer.

Uma outra operadora queria me cobrar uma fatura de uso do seu sistema em Janeiro, sendo que eu cancelei em 15/12 seus serviços. Em um mesmo dia, 3 pessoas do escritório de cobrança me ligaram para um acerto. Em 3 momentos me passaram datas e valores diferentes, ou seja, para cada um que me ligou eu devia um valor e tinha cancelado o pacote em um dia diferente. Há sempre a culpa do “deu um erro no sistema...” a última das ligações, uma mulher, com uma má educação de tirar o chapéu! Parabéns aos pais dessa menina. Aliás, quando se está no metro se vê onde a educação do país está.

O Brasil ganhou o título de vice campeão de atendimento mais antipático do mundo. O mercado literário no país está caindo, pois as pessoas não estão mais lendo livros, uma vez que os posts do Facebook são mais interessantes. Para que ler Umberto Eco, se o meu amigo revolucionário do Facebook está fazendo um enorme post sobre economia uma vez que nem a conta corrente dele, ele cuida???

Em sala de aula, o que tem de aluno que durante a aula que fica no celular ao invés de prestar atenção no professor... Depois esses, claro, são os primeiros a pedir nota, abonar falta ou pedir uma ajuda para um trabalho em que não tiveram nota mínima. Quando posso, eu faço tudo o que pedem, pois sei que hã uma verdade: o mercado pune. Faculdades estão chamando os pais de alunos para conversas. Na escola é compreensível. No colegial, aceitável, mas na faculdade?? Culpa da instituição? Claro que não, é um ato desesperado para cuidar de uma geração mal educada, folgada e quer tudo para agora. Essas pessoas, estão no mercado de trabalho e quando não fazem um bom trabalho, são despedidos. A culpa é da crise, do chefe chato, do cliente insuportável, mas ele, há, ele é ótimo, o mercado que perdeu um talento. De volta ao Facebook, YouTube e PS4.

Os espertos não são o que levam vantagem em tudo e sim os que conquistam o sucesso. E sucesso não vem sem esforço e dedicação. Mas para muitos, essas palavras são chatas e complicadas, por isso, a crise é ótima, pois é a desculpa que precisam para esconder sua incompetência.

As 18h a caneta cai e não importa o que esteja fazendo. A geração millennials quer qualidade de vida, louvável, mas eu ainda sou da geração "dar um pouco a mais", talvez porque eu vivi a geração Rogerio Ceni que era o primeiro a chegar e o último a sair nos treinos ou de Michael Jordan que era um viciado em treinos. Ambos, no auge de suas brilhantes carreiras, quando já haviam ganho de tudo, treinavam ainda mais. Davam o 120% que as pessoas pedem. A geração que dá esse 120% de dedicação não é bem vista pelos amigos, entretanto, pense que enquanto seus amigos viajam e você estuda ou trabalha, em breve você vai estar vivendo o sonho deles.

No réveillon, em um hotel onde 70% dos hóspedes possuíam mais 60 anos, todos foram obrigados a ouvir funk e axe pois um casal na faixa dos 30 achava legal. Nada contra a música, mesmo que não faça o meu estilo, mas é preciso bom senso, algo que não está no dicionário de muitos brasileiros. O casal colocou um pendrive com as suas músicas no som da piscina do hotel, músicas que com certeza não eram as preferidas do público em geral, afinal, duvido que um casal de 70 anos tenha ido para o hotel ouvindo "chiiiiiiiiiiclete oba oba" no seu carro. É claro, esse casal jovem, deve reclamar muito do PT nos seus perfis das Redes Sociais. O Brasileiro adora reclamar dos outros, mas nunca faz a sua parte. E é a crise?

Crise econômica está aí, não há dúvidas, mas como li recentemente no brilhante artigo do meu amigo Marcos Hiller a crise de 2008 foi muito pior, aliás, esse artigo do Hiller me inspirou a escrever esse. Passamos por 2008, como vamos passar por essa. Não será a “marolinha” mas ela existe. Muitas lojas fechando e, como eu disse, a classe mais baixa da pirâmide, que representa cerca de 85% da população no país, sofre, mas quem está saindo da crise, sai mais forte, sai melhor e sai mais preparado para a concorrência do mercado. Crise, depende do ponto de vista é bom, pois faz a empresa se mexer, inovar e sair da famosa zona de conforto. Faz a empresa atender melhor o cliente, fornecedores e exigir mais. Faz a empresa pensar mais antes de gastar o dinheiro a toa, pensar melhor a sua comunicação e seus investimentos.

Meu mestre, Roberto Shinyashiki disse uma vez que a crise é boa pois limpa o que é ruim e enaltece o que é bom. Vejo meus amigos e referências de mercado fazendo o simples: trabalhando! Às vezes 12 ou 13h por dia, mas ralando e entregando. Um deles me confessou que mal vê o filho durante a semana, mesmo morando junto, pois a carga de trabalho está alta, mas no final de semana, se dedica a família. Miro neles para me dar bem. Vejo meu pai, grande referencia pessoal e profissional, dizendo que não está dando conta de tanto trabalho. E isso é ótimo.


Enfim. Qual crise você está vendo? Eu? Bem, eu estou vendo uma crise de desculpas, de pessoas sem vontade, do país onde o Carnaval e o BBB são as coisas mais importantes, do país onde as pessoas reclamam de não ter feriado na semana seguinte, do país que a cultura é deixado de lado, um país a ser educado por Felipe Neto e Kefera. Eu tenho um pouco de medo dessa nova geração de "muitos direitos e poucas responsabilidades", geração onde criticar é mais fácil do que fazer. A geração onde a eduação está sendo deixada de lado, e não digo a educação da escola, mas o “bom dia” por exemplo. Mas nem tudo está perdido, temos uma galera jovem despontando. O fenômeno startups no Brasil cresce com muita gente boa, está ai a Pagar.me que não me deixa mentir, com 2 “moleques” no comando e fazendo um excelente trabalho. Que esse seja o perfil dos jovens. E se você ainda vê crise, a dica é: acorde cedo e vá trabalhar, vá ganhar o “ 1 dólar a mais todos os dias” que o Geraldo Rufino prega em seu livro “Catador de Sonhos” (Ed. Gente).

Livro: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL passou dos 1,5 mil vendas em apenas 7 meses! Compre aqui o seu agora mesmo!

Curso online que eu ministro:

Abraços
Felipe Morais
@plannerfelipe
facebook.com/plannerfelipe



0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial